Já sabe tudo sobre a COVID-19? É importante estar informado (não em demasia claro), mas o suficiente para que possa estar atento às medidas que deve tomar e aos riscos a que tem de estar atento.

Vamos ver tudo sobre a COVID-19: como apareceu, quais os sintomas, como prevenir o contagio e outras informações importantes.

COVID-19 faz parte dos Coronavírus

O COVID-19, também conhecido por SARS-COV-2, faz parte da família dos Coronavírus.

Os coronavírus são uma família de vírus que podem causar doença, quando invadem o organismo dos humanos. A infeção causada pode ter sintomas semelhantes a uma gripe comum, mas não deve ser confundida como uma gripe.

Quando começou o COVID-19, o novo coronavírus?

O novo coronavírus, COVID-19, foi identificado a 7 de janeiro de 2020, na China, decorrente de a 31 de dezembro de 2019 a china ter reportado a OMS vários casos de doentes com pneumonia de causa desconhecida em trabalhadores e frequentadores do mercado de peixe, marisco vivos e aves na cidade de Wuhan, província de Hubei (WHO).

Pressupõe-se que os doentes tiveram contato com animais num mercado

A identificação de doentes que frequentaram o mercado de Wuhan, pressupõem que possa ter existido transmissão a partir do contacto com animais.

Contudo na atualidade, um conjunto de peritos da OMS, encontram-se na china a fazer investigações mais detalhes, sob a proveniência do vírus.

Pode clicar no link da WikiMedia para ver uma fotografia do mercado de Wuhan.

Quando foi declarada pandemia?

Após confirmação de vários casos positivos de COVID-19 em vários países do mundo, a OMS declarou pandemia a 11 de março de 2020.

Quando surgiram os primeiros casos em Portugal?

Pessoas a usar máscaras

Pessoas a usar máscaras

Em Portugal a 2 de março, surge a confirmação de dois novos casos, considerando que a doença foi importada.

Desde então o número de casos tem aumentado exponencialmente, tendo sido reportadas 3 vagas de infeção por covid-19 (ou seja, um grande número de infetados, internados e falecidos).

Após um 1º confinamento “agressivo”, os casos baixaram substancialmente e os portugueses puderam usfruir de um verão com poucas restrições e com poucos novos números de casos COVID-19.

Surgiu depois uma segunda vaga, combatida ao longo dos meses de Outubro, Novembro e Dezembro com confinamentos parciais.

Por fim, em finais de Dezembro / ínicio de Janeiro chegou a terceira vaga de COVID-19.

A terceira vaga do vírus COVID-19 em Portugal foi devastadora

Devido a múltiplos fatores:

  1. Liberdade de movimento no Natal;
  2. Propagação da estirpe COVID-19 britânica;
  3. Relaxamento das medidas, em geral, em Dezembro.

Portugal enfrentou uma terceira vaga de COVID-19 em Janeiro de 2021 extremamente contagiosa e letal, tal como afirma a RTP:

O número de mortes diárias desde o dia 12 de janeiro superou, em média, o de países como a Espanha ou os Estados Unidos.

Este aumento de casos, óbitos e internamentos têm sido dramático e como resposta, para controlar a situação e minimizar a perda de vidas, o governo têm aplicado regras de confinamento cada vez mais rigorosas.

Confinamentos sem fim à vista

A boa notícia é que o confinamento está a funcionar como era esperado.

O problema é que já não é o primeiro e possivelmente pode não ser o último.

E os confinamentos, têm causado vários constrangimentos na vida da população em geral. Sobretudo no que concerne ao sucessivo encerramento de instituições e estabelecimentos, pelo governo, necessários ao controlo epidemiológico da doença.

Testar, Testar, Testar

De acordo com os especialistas, a única forma de evitar confinamentos totais ou parciais são estratégias de testagem massiva.

E, como a própria Marta Temido afirmou, é cada vez mais importante a continuar a testar mais e mais, e  testar não só a população de risco mas também a e de não risco (fonte: observador).

Enquanto se espera que o governo implemente mais medidas de testagem da população, saiba que a SIGMA SAÚDE é uma entidade credênciada e experiente na realização de testes rápidos COVID-19.

Veja também o artigo que já escrevemos sobre o tipo de testes COVID-19

Quais os sintomas da COVID-19 e como pode surgir?

Os principais sintomas para suspeita por infeção de covid-19, são habitualmente:

  • Febre;
  • Tosse;
  • Falta de ar;
  • Perda de cheiro;
  • Paladar.

As complicações como pneumonia, surgem nas formas mais complicadas da doença, levando a uma crescente utilização das unidades de cuidados intensivos. Contudo os sintomas mais ligeiros afiguram, na maioria das infeções de covid-19, sendo que estes doentes recebem os cuidados em casa.

Veja aqui o guia atualizado de 2021 de todos os sintomas COVID-19.

O que fazer quando os sintomas surgem

Contudo sempre que uma pessoa apresente sintomas sugestivos de COVID-19, como falta de ar deverá:

  • Iniciar a sua evicção social, mantendo todos os cuidados de isolamento caso viva com outros elementos em casa;
  • Ligar SNS24, 808 24 24 24, antes de recorrer a serviços de saúde e referir sempre o seu histórico de contactos de risco, ou viagens recentes;
  • Lavagem frequente das mãos;
  • Adotar medidas de etiqueta respiratória, como tapar o nariz e a boca, quando espirar ou tossir;
  • Utilizar máscara cirúrgica;

Como se faz o diagnostico para a covid-19?

teste covid PCR

teste covid PCR

O diagnostico para a covid-19 e feito com recurso a colheita de exsudado nasofaríngeo, através de uma zaragatoa, sendo realizado posteriormente um teste de PCR, num dos laboratórios convencionados pelo Serviço Nacional de Saúde.

Em alternativa, embora não seja o método de diagnostico recomendado, poderá ser utilizado um teste rápido para a covid-19, sendo apenas recomendada a utilização deste tipo de teste em caso de existência de um surto, na presença de sintomas e nos seus 5 primeiros dias de desenvolvimento de sintomas. Como já foi mencionado, A SIGMA SAUDE, tem este teste disponível sob marcação, no conforto da sua casa. Agende agora.

Teste Rápido Covid Antigénio

Teste Rápido Covid Antigénio

Período de incumbação do Vírus SARS-CoV-2

O centro de Prevenção e Controlo das Doenças, considera que o tempo de incubação do vírus pode durar entre 2 e 14 dias.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o risco de contrair COVID-19 a partir de alguém que não apresente sintomas é muito reduzido.

Assintomáticos podem ser fontes de infeção

Contudo, um doente assintomático, pode ser uma fonte de infeção não identificada devido a ausência de sintomas.

Daí a importância da testagem contante por parte da população e isolamento profilático, quando sugerido pelas autoridades de saúde (por exemplo, quando houve contactos de risco com pessoas infectadas com COVID-19)

Como prevenir os contágios?

COVID-19 Lavar as Mãos

COVID-19 Lavar as Mãos

A prevenção básica passa por evitar a exposição ao vírus.

O local mais seguro é a nossa casa.

A população deve manter-se o mais informada possível. As viagens devem ser circunscritas apenas as necessárias e a adoção de medidas gerais de confinamento, são essências para conter a propagação comunitária do vírus.

Mas é claro que nem sempre podemos ficar em casa. Há necessidade de sair para fazer compras, ir à farmácia, trabalhar, fazer desporto, entre outras coisas.

Se tivermos de sair de casa

  1. Podemos utilizar utilizar máscaras para nos protegermos (veja mais aqui sobre o uso da máscara);
  2. Devemos manter a distância social;
  3. Respeitar as regras em vigor (ex: estado de emergência – recolher obrigatório, proibição viagens entre concelhos, etc.);
  4. Sair de casa para fazer o estritamente necessário.
  5. Não sair se tivermos uma suspeita de sintomas COVID-19;
  6. Respeitar o número máximo de pessoas num espaço comercial;
  7. Lavar as mãos frequentemente.

Existe cura ou tratamento para a covid-19?

Quem quer saber tudo sobre a COVID-19 quer saber se existe uma cura.

Infelizmente, não.

Não existe um tratamento específico até a data.

O tratamento é sobretudo sintomático e de suporte de órgãos, de acordo com a gravidade dos casos. Ou seja, há várias combinações de medicamentos como parte do tratamento que são dadas a um paciente que está a sofrer de COVID-19 mas, esta medicação não “combate” o Vírus mas sim os sintomas do Vírus e ajuda os orgãos a funcionar.

É como tratar uma Gripe com Paracetamol, o Paracetamol não elimina a Gripe, mas ajuda a combater os sintomas, como a Febre.

Note que a terapêutica carece sempre de indicação médica, mesmo que seja um caso ligeiro, por isso, não hesite em contactar a linha de saúde24 ou um Médico que o possa acompanhar a evolução da sua situação.

Caso necessite, pode agendar uma teleconsulta (consulta online) com um médico através da SIGMA SAÚDE, em apenas três minutos.

Tratamento COVID-19 reconhecido pela OMS

Cientistas por todo o mundo estão a tentar desenvolver, a par de uma vacina, tratamentos eficazes para a COVID-19. Atualmente os tratamentos mais eficazes, de acordo com a OMS são:

  • Dexatametasona (reduz o tempo de necessidade de ventilador);
  • Oxigénio e sistemas avançados de respiração como ventiladores;
  • Uma nota importante: Os antibióticos não são adequados para infeções virais e devem ser evitados.

As novas estirpes de covid-19

Se acha que já sabe tudo sobre a COVID-19, desengane-se, pois este Vírus não deixa de nos surpreender.

Neste momento, existem 3 novas variantes da covid-19, que preocupam as autoridades portuguesas e mundiais;

  • Reino Unido;
  • Africa do Sul;
  • Brasileira.

O que são as estirpes COVID-19? São Perigosas?

Uma estirpe forma-se quando uma espécie sofre mutações significativas e se adaptam as novas condições ambientais, no fundo e a capacidade de adaptativa e de sobrevivência do vírus. Poderão ser esperadas novas variantes do virus COVID-19 dado que os vírus estão em constantes mutações.

Quais as principais diferentes entre as novas estirpes SARS-CoV-2

A principal diferente reside na sua capacidade de causar infeção, uma vez que os indivíduos infetados com as mesmas, apresentam uma carga viral superior.

Variante COVID-19 do Reino Unido

Transmite-se mais facilmente (cerca de 70% vezes mais).

Foi identificada em Portugal em setembro de 2020, sendo responsável pela maioria das novas infeções em Lisboa e Vale do Tejo.

Os grupos populacionais mais afetados são os mais jovens entre os 10-19 anos.

Variante Sul Africana

Foi detetada pela primeira vez em outubro de 2020 e apresenta algumas mutações iguais a da variante inglesa, afetando o grupo populacional dos mais jovens, sem comorbilidades e causando habitualmente doença grave.

Variante Brasileira

Foi detetada pela primeira vez em dezembro de 2020, Não existe confirmação que tenha chegado a Portugal, mas existe uma forte possibilidade. Apresenta duas mutações que a tornam mais perigosa que as anteriores. A primeira que a torna mais transmissível e outra que permite uma reinfeção, uma vez que a defende dos anticorpos que possamos já ter.

Ok, vamos agora falar de “boas notícias”, as vacinas COVID-19.

O desenvolvimento das vacinas para a COVID-19

Vacina Pfizer Biontech

Vacina Pfizer Biontech

Desde o início as empresas farmacêuticas, tem canalizado os seus esforços no sentido da criação de uma vacina capaz contra a covid-19. Com o decorrer do tempo, vemos cada vez mais vacinas a serem aprovadas.

Importa salientar que todas as vacinas são seguras e não causam doença por covid-19.

Em Portugal, foram adquiridas cerca de 22 milhões de doses, no âmbito do acordo de compra conjunta da união europeia, com seis empresas:

  • AstraZeneca
  • BioNTech/Pfizer
  • Moderna
  • Curevac
  • Janssen
  • Sanofi/GSK.

É recomendada que toda a população faça a toma da vacina contra a covid-19, embora a mesma não seja obrigatória, mas sim fortemente recomendada.

E se já tiver tido COVID-19, devo fazer vacina na mesma?

Este é um mecanismo de controlo da pandemia. É recomendado que mesmo as pessoas que tenham tido covid-19, sejam vacinadas, embora não sejam priorizadas no plano devido a limitação de quantidades existentes no momento.

Sintomas após toma da vacina covid-19

Após a toma da vacina contra a covid-19, poderão surgir alguns sintomas, típicos dos restantes processos vacinais, como:

  • Dor no local de injeção;
  • Fadiga
  • Dor de cabeça;
  • Dor muscular;
  • Calafrios;
  • Dores articulares;
  • Febre;

Outros sintomas como rubor no local da injeção e náuseas são menos frequentes. Temperaturas altas (febre) são raros e podem indicar que tem covid-19 ou outra infeção. Os sintomas provocados pela vacinação duram, normalmente, menos de 1 semana.

Caso os sintomas persistam deve contactar o SNS24, o seu médico assistente ou poderá realizar uma teleconsulta de esclarecimento de sintomas, com um médico de clínica geral da SIGMA SAUDE.

Fases da vacinação em Portugal

Para Portugal, foram definidas 3 fases no processo de vacinação de acordo com a disponibilização de vacinas do mercado, sendo que o mesmo poderá sofrer alterações de acordo com a evolução do mercado.

Fase I da vacinação em Portugal

  • A partir de Dezembro de 2020
    • Destinada a profissionais de saúde, forças armadas, forças de segurança, profissionais e residentes de Estruturas Residenciais para pessoas Idosas;
      A partir de Fevereiro de 2021:

    • Pessoas com idade acima dos 50 anos e com uma das seguintes patologias: Insuficiência cardiaca; Insuficiência Renal e Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica;

Fase II da vacinação COVID-19

  • A partir de Abril de 2021
    • Pessoas com idade superior a 65 anos;
    • Pessoas entre os 50 e os 64 anos e com uma das seguintes patologias associadas: diabetes, neoplasia maligna ativa, doença renal crónica, insuficiência hepática, hipertensão arterial, obesidade.

Fase III da vacinação COVID-19

Data a determinar, que incluirá a restante população.

O combate à COVID-19 é uma luta diária

A Covid-19 é uma doença nova. Diariamente surgem estudos e novas publicações que vêm reforçar teorias já existentes e corrigir novas metodologias de abordagem aos novos casos e as novas variantes. Mas o sucesso do combate a esta pandemia depende de cada um de nós e de nos todos globalmente.

Os princípios continuam a ser transversais:

  • Confinar o máximo possível e em caso de necessidades de deslocações ao exterior usar máscara;
  • Lavar as mãos frequentemente, usar a etiqueta respiratória e evitar tocar nos olhos e na cara;
  • Manter o distanciamento social e o teletrabalho sempre que possível;